Olá caro leitor seja muito bem vindo!  Hoje trago a vocês um dos assuntos mais polêmicos que já vimos em todos os tempos, hoje irei falar também sobre o assunto “ trazei todos os dízimos à casa do Senhor”.  É um dos assuntos mais comentados nos dias atuais,  afinal o dízimo o citado no Livro de Malaquias o que significa.

Para entender bem este assunto trago a vocês  na íntegra à introdução do livro de Malaquias, tenham uma excelente leitura!

Autor do Livro de Malaquias (Quem foi Malaquias na bíblia?)

O livro é atribuído a Malaquias, cujo nome significa “meu mensageiro”. Como o termo ocorre em 3.1 e tanto os profetas quanto os sacerdotes eram chamados mensageiros do Senhor (veja 2.7; Ageu 1.13), há quem acredite que “Malaquias” fosse mero título atribuído ao autor pela tradição.

Essa teoria tem sido reforçada recorrendo a antiga tradução grega (a Septuaginta), em que o termo de 1.1 aparece como “seu mensageiro” e não como o nome próprio. A questão, no entanto, permanece incerta, e ainda continua muito provável que Malaquias fosse, na realidade, o nome do autor.

Antecedentes históricos

Incentivado pelas atividades proféticas de Ageu e Zacarias, os exilados que votaram sobre a liderança do seu governador, Zorobabel, Acabaram o templo em 516 a.c. Em 458, a comunidade foi reforçada pela chegada do sacerdote Esdras e de mais alguns milhares de judeus. O rei Artaxerxes, da Pérsia, incentivou Esdras a desenvolver a adoração no templo (Ed. 7.17) e fazer cumprir a lei de Moisés (Ed. 7.25, 26).

Treze anos depois (445), o mesmo rei persa permitiu que seu copeiro, Neemias, voltasse a Jerusalém e reedificar os muros (Ne. 6.15). Com a nova nomeação para o governador, Neemias empreendeu reformas contra as injustiças sociais (Ne. 5.2-13), persuadir o povo a repudiar os casamentos mistos, a guardar o sábado (Ne. 10.30,31) e a trazer realmente os dízimos e as ofertas (Ne. 10.37-39)

Em 433 a.c., Neemias voltou ao serviço do rei persa, é, durante a ausência de Neemias, os judeus voltaram a cair no pecado. Posteriormente, no entanto, Neemias voltou à Jerusalém e descobriu que os dízimos tinham sido desconsiderados, o sábado era violado, o povo tinha feito o casamento mistos e os sacerdotes tinham se tornado corruptos (Ne. 13.7-31). Vários de seus pecados são condenados por Malaquias (veja 1.6-14; 2.14-16; 3.8-11).

Data do Livro de Malaquias

Semelhança entre os pecados censurados em Neemias e os censurados em Malaquias faz crer que os dois líderes fossem da mesma época. Malaquias talvez tenha período deste como governador. Como o governador mencionado em 1.8 provavelmente não era Neemias, a primeira alternativa pode ser mais provável. Malaquias foi talvez o último profeta da era do Antigo Testamento (embora alguns situem Joel depois dele).

Temas de teologia

Embora os judeus tivessem recebido permissão de voltar do exílio e reedificar o templo, vários fatores de desse estímulo provocaram um mal-estar generalizado no que dizia respeito a fé deles:

  1. sua terra continua sendo mera província nas periferias do Império Persa;
  2. o futuro glorioso proclamado pelos profetas (entre os quais os outros profetas pós-exilicos, Ageu e Zacarias) não se concretizara (ainda);
  3. Deus não viera (ainda) para o seu templo (3.1) com majestade e poder (como é celebrado no Salmo 68), para exaltar seu reinado à vista das nações.

Duvidando do amor de Deus segundo aliança (1.2) e já não confiando em sua justiça (2.17; 3.14,15), os judeus da comunidade restaurada começaram a perder as esperanças. Por isso, o culto de Lis de gênero uma perpetuação desanimada das meras formas, e já não levavam a sério a lei.

Malaquias repreende a dúvida que os judeus nutriam quanto ao amor de Deus (1.2-5), repreendendo também a infidelidade dos sacerdotes (1.6-2.9) tanto quanto do povo (2.10-16).

Quanto à acusação popular de Deus seria injusto (“Onde está o Deus da Justiça?”, 2.17) por não ter vindo em juízo para exaltar o seu povo, Malaquias responde com uma proclamação e um aviso. O Senhor que buscam virá mesmo – mas virá “com o fogo do ourives” (3.1-4). Virá para condenar – mas primeiramente o povo (3.5).

Como o Senhor não muda nos seus compromissos e no seu propósito Israel não foi completamente destruído por persistir na infidelidade (3.6). Mas é somente por meio do arrependimento e de uma reforma que voltará a experimentar a benção divina (3.6-12). Os que honra ao Senhor serão poupados quando ele vier julgar (3.16-18).

Concluindo, Malaquias volta a consolar os leitores, advertindo-os de que “vem o dia [o grande e terrível dia do Senhor 4.5]”, e será “ardente como uma fornalha” (4.1). Naquele dia, os justos se regozijarão e “esmagaram os ímpios” (4.1-3). Portanto, “Lembre-se da lei do meu servo Moisés” (4.4). O Senhor, para preparar o seu povo para aquele dia, enviará “O profeta Elias” para chamá-los de volta aos caminhos e idosos dos seus antepassados (4.5,6).

Características literárias do Livro de Malaquias

Malaquias é chamado uma “advertência” e é escrito num estilo de prosa elevada. O texto destaca uma série de perguntas feitas, tanto por Deus quanto pelo povo. Muitas vezes, as declarações do senhor são seguidas por perguntas zombeteiras introduzidas por: “mas vocês perguntam” (1.2,6,7; 2.14, 17; 3.7,8,13; 1.13). Em cada caso a resposta do Senhor é citada.
A repetição é elemento de importância no livro. O nome “Senhor dos Exércitos” ocorre 20 vezes. O livro começa com uma descrição da terra devastada de Edom (1.3,4) e termina com uma advertência a respeito da destruição de Israel (4.6).

Várias figuras vividas de linguagem são empregadas no livro de Malaquias. Os sacerdotes riem quantos presos do altar do Senhor (1.13), e o senhor esfrega na cara deles os excrementos dos animais oferecidos em sacrifício (2.3). Como Juiz, “ele será como o fogo do ourives e como o sabão do lavandeiro” (3.2), mas para os justos, “o sol da justiça se levantará trazendo cura em suas asas. E vocês saíram e saltaram como bezerros soltos do curral”. (4.2).

Esboço do Livro de Malaquias

  1. Título (1.1)
  2. Introdução: afirmado o amor de Deus por Israel , segundo aliança (1.2-5)
  3. Repreensão da infidelidade de Israel (1.6 – 2.16)
    • A infidelidade dos sacerdotes (1.6 – 2.9)
      • Desonram a Deus nos seus sacrifícios (1.6-14)
      • Não ensinam fielmente a lei (2.1-9)
    • A infidelidade do Povo (2.10-16)
  4. Proclamação da vinda do Senhor (2.17-4.6)
    • O senhor virá para purificar os sacerdotes e julgar o povo (2.17-3.5)
    • Um chamado ao arrependimento quanto a volta do Senhor (3.6-18)
      • Exortação à contribuição Fiel (3.6-12)
      • Exortação ao serviço Fiel (3.13-18)
    • Proclamando o dia do Senhor (capítulo 4)

Fonte: Bíblia de Estudo NVI (Nova Versão Internacional) – Editora Vida

Você gostou da Introdução do Livro de Malaquias? Você pode ter mais informações na página de sermões onde traz inúmeros sermões e introduções de outras cartas.

Você não conhece a Igreja Restauração e Vida? Em nossa página de contato você encontra nosso endereço e nosso telefone, venha nos fazer uma visita e participe conosco em nossos cultos.

Não esqueça também de compartilhar esse artigo com outras pessoas clicando nos botões de compartilhamento abaixo.

Compartilhe na sua rede social favorita